O ELETROCARDIOGRAMA DA HIPOTERMIA

Revisado por Leandro Cordeiro Portela e Felipe Augusto de Oliveira Souza

Hipotermia é a diminuição da temperatura corporal abaixo de 35°C. Pode ser leve (32 a 35°C), moderada (27 a 32°C), grave (20 a 27°C) ou profunda (< 20°C).

1. A hipotermia diminui a velocidade de condução do estímulo cardíaco, aumentando, assim, os intervalos RR, PR, QRS e QT.

2. As alterações eletrocardiográficas iniciam-se com temperaturas < 35°C.

3. Presença de onda J de Osborne: elevação do ponto J apresentando um “entalhe” no QRS (vide figura).

• quanto maior o entalhe ou a elevação do ponto J, mais acentuada a hipotermia < 30°C.

• mais evidente nas precordiais (V2-V5)

  1. Bradicardia sinusal ou juncional podem estar presentes
  2. O artefato de tremor no ECG é comum e pode ser fator de confusão para diagnóstico de arritmias ventriculares, como fibrilação ventricular (FV) ou taquicardia ventricular (TV).
  3. Fibrilação atrial (FA) de baixa resposta ventricular e arritmias ventriculares (FV/TV) podem se apresentar em temperaturas abaixo de 32°C.
  4. Parada cardíaca em assistolia nos casos graves.